Você sabe o que são as rodas punk?

Por Alex Duarte

Provavelmente você já ouviu falar ou testemunhou uma roda punk. Um fenômeno de massa característico, em que pessoas circulam, pulam e se jogam uma nas outras, em shows de punk rock ou hard core. A prática pode ser vista aqui mesmo na região, em shows de bandas como Tequila Baby, Ultraman e outras.

“Você pode chamar a roda punk de Poga, que consiste em dançar no mesmo lugar, subindo e descendo, tipo aquelas danças russas”, destacou Diego Leal, 22 anos, administrador de redes e participante de rodas punk. Segundo ele, “no The Filth and the Fury do Sex Pistols, o baixista Sid Vicious disse que eles inventaram o Pogo por volta de 1976 em seus shows, disseminando a cultura por todo o mundo”.

Para quem participa, a razão da existência de um show neste estilo é a energia. O momento de alegria quando o punk e o simpatizante se abraçam, depois se empurram e se abraçam novamente. Tudo numa boa. “Diversão. Assim é que defino quando pessoas liberam suas energias. Um monte de gente se empurrando, mas sem violência”, argumentou.

Diogo alerta que a diversão nem sempre acaba bem, embora a cooperação faça parte de alguns participantes das rodas. “Muitas vezes vi alguém entrar na roda e não dar conta e cair no chão. Nestes casos os participantes ajudam, levantando a pessoa para que ela volte para o empurra- empurra”, explicou.

Na teoria, a diversão parece funcionar. O problema é que diversas ocorrências são registradas em shows por consequência de agressões em roda punk. “Tem gente que não gosta e sem querer acaba dentro da roda. Lembro de uma vez em Santo Ângelo em um show de rock, uma menina caiu na roda e foi pisada”, disse Francisco Pires, universitário. De acordo com o jovem, “a prática até mesmo assusta e inibe os fãs dos shows que pagam ingresso para assistir a sua banda e acabam vendo um bando de gente se empurrando. É sem fundamento”.

Na prática, Diogo defende e comprova que o mau comportamento nas rodas não é geral.“Com o tempo as coisas mudam e os valores se perdem. O pessoal começa a esquecer que a roda é para se divertir e não pra medir força. Mas tem gente que entra procurando autoafirmação, provar que é mais forte que os outros e tudo acaba em bagunça”, concluiu.

E você, é a favor ou contra as rodas punk?

5 Comentários

  1. Quase Tudo é Imaginado, Pouco é Natural

    Se pode dançar até de facão, riscando o chão e batendo um facão no outro, coreografando uma briga de salão, talvez, então tudo é possível.

  2. Se Tudo fosse em União, Até que seria à favor…. Mas, Como tem pessoas Retardadas, Não é Possível!!!

  3. Não generalizem, ora tequila baby sim, ultramen não. os citados ai ja ouviram ultramen. as caracteristicas não são estas destas banda ae. musicas muito boas, ouçam antes de criticar !

  4. Gostei da materia pois ainda nao tinha lido nada sobre roda punk em jornais e na internet tem pouca coisa mas eu acho que sou contra a este tipo de diversao porqq induz a briga

  5. Afinal, um “tapinha não dói”… até aperecer um todo quebrado…
    Bom, cada masoquista com o seu sadista…
    Excelente matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *