Menina é encontrada morta dentro de mala no Rio

Vítima foi vista pela última vez enquanto brincava com outras crianças na vila onde morava. Corpo foi encontrado pela mãe nesta madrugada

Agatha Nicole Silva Victorino foi encontrada morta, no Engenho Novo, nesta sexta-feira

Uma menina, de 6 anos, foi encontrada morta dentro de uma mala jogada em um rio, no Engenho Novo, na Zona Norte do Rio, nesta sexta-feira. Agatha Nicole Silva Victorino estava desaparecida desde às 17h desta quinta-feira. O corpo da vítima foi encontrado pela mãe, por volta das 2h, enquanto parentes faziam buscas na região.

A família contou que ela estava brincando com outras crianças na vila onde morava quando foi vista pela última vez. Segundo testemunhas, um homem chegou perto de onde os pequenos estavam e chamou a menina. Depois, alguns vizinhos relataram que o suspeito estava com uma mala.

A Polícia Civil informou que a Delegacia de Homicídios da Capital (DH) está investigando o caso para tentar identificar o suspeito. De acordo com a polícia, uma perícia já foi realizada no local.

Nas redes sociais, a mãe, Luane Cristine, de 22 anos, desabafou e lamentou a morte da menina. “Quero minha filha de volta”, escreveu em uma publicação. Os avós maternos de Agatha chegaram ao IML, na manhã desta sexta-feira, para reconhecer e liberar o corpo da menina. Robson Ferreira de Araújo, motorista de ônibus de 54 anos, é padastro da mãe da pequena, mas a considera como neta porque ajudou a criá-la desde novinha.

O avô da menina, Robson Ferreira de Araújo, foi ao IML liberar o corpoRafael Nascimento / Agência O Dia

“Esse é um momento muito crítico para a família, pois foi uma covardia que fizeram com a minha neta. A família toda está desesperada. Ela tinha apenas 6 anos, e vem um delinquente e faz isso com ela”, lamentou o avô, contando que ainda não sabe o motivo que levou a tamanha crueldade.

“Recebemos a informação ontem às 23 horas e a garota desapareceu às 17h. Uma pessoa viu esse rapaz jogando a mala no valão, que fica próximo à estação de trem do Engenho Novo. Esse cara destruiu a nossa família. A minha mulher está desesperada, a bisavó, as tias”, contou Robson.

O avô afirmou que Agatha era uma criança brincalhona e alegre. A menina tinha dois irmãos. “Esse homem acabou com a família toda. [O caso] É muito estranho, porque eu a vi nascer e morrer. Ela sempre dizia: vó te amo. Vovô te amo. Estamos desmontados. Como um ser humano pode fazer isso? Ela era uma criança, sabia se defender em que? A lembrança que eu vou guardar dela é de um vídeo que ela fez com o tio, que não vou apagar jamais. Eles estavam brincando na sala de casa”, completou.

Parentes foram ao IML liberar o corpo de Agatha NicoleRafael Nascimento / Agência O Dia

Ele destacou ainda que quer Justiça e pede que a polícia prenda o suspeito. “Não sei dizer se o cara é conhecido. Disseram que ele era magro, tinha um metro e setenta de altura, e acredito que ele seja um viciado. Não sei o que pode ter acontecido com ela. Como lá todos os vizinhos são conhecidos, acredito que a Nicole possa ter pensado que esse cara morasse lá perto e ter ido com ele”, finalizou.

Avó de Agatha, Edir Silva dos Santos, de 44 anos, disse que, à noite, durante um culto na Assembleia de Deus, no Jardim Metrópole, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, orou pelos netos, em especial pela Agatha, mesmo sem saber ainda o que havia acontecido com a menina. Segundo ela, os familiares só contaram do desaparecimento da criança depois que ela saiu da igreja.

“Minha sobrinha me ligou, eu estava no culto, cinco horas depois do caso e me disse que a Agatha estava desaparecida. Por ter a pressão muito alta, acho que eles estavam me preservando. Acredito que foi Deus que fez eu ir a igreja para ele me preparar. Pedi ao Senhor que ele cuidasse da Agatha. Ninguém imagina que vamos perder o que mais amamos. Se quando perdemos um objeto de valor já ficamos chateados, imagina perder quem mais amamos”, desabafou.

Ela também lembrou que sempre aconselhou os netos a não saírem com estranhos. “Agatha foi a minha segunda neta, e quando ela nasceu a gente paparicava muito e cuidava dela. Por ser muito brincalhona e muito ‘dada’, a gente falava com ela para não ir com estranhos. É isso que eu falo com meu nentinho de um ano, irmã dela: ‘se chamar não vá'”, reforçou.

A morte causou comoção nas redes sociais e internautas lamentaram a morte da menina. “Que tristeza! Meus sentimentos à família”, disse um deles. “Que Deus console o coração dos parentes”, desejou outro. “Que crueldade”, definiu mais um.

Fonte: Agência O Dia

loading...

1 Comentário

  1. Esse monstro não merece viver,pena de morte já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *