Defesa pede esclarecimentos a comandante do Exército

Após general falar em intervenção militar, Defesa pede esclarecimentos a comandante do Exército

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, pediu esclarecimentos ao comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, sobre as falas do general Antonio Hamilton Mourão. Em palestra na última sexta-feira (15), Mourão afirmou que uma “intervenção militar” pode ser adotada no país caso o Poder Judiciário “não solucione o problema político”.

Em nota, o Ministério da Defesa informou que medidas cabíveis em relação ao caso foram discutidas no encontro. O comunicado destaca também que as “Forças Armadas estão plenamente subordinadas aos princípios constitucionais e democráticos e ao respeito aos Poderes constituídos”.

O Ministério da Defesa não comunicou se o general Mourão sofrerá alguma punição por causa de seu posicionamento. No entanto, o Regulamento Disciplinar do Exército classifica como transgressão o ato de “manifestar-se, publicamente, o militar da ativa, sem que esteja autorizado, a respeito de assuntos de natureza político-partidária”.

Polêmica

Em palestra realizada em uma loja maçônica de Brasília, Mourão afirmou que uma “intervenção militar” pode ser adotada no país caso o Poder Judiciário “não solucione o problema político” — em referência à crise generalizada de corrupção nos altos escalões governamentais.

Segundo ele, seus “companheiros do Alto Comando do Exército” entendem que essa “imposição não será fácil” e avaliam que ainda não é o momento para a ação, mas admitem que ela poderá ocorrer.

No domingo (17), Mourão disse que “não defendeu (a tomada de poder pelos militares), apenas respondeu a uma pergunta”. Para o general, “se ninguém se acertar, terá de haver algum tipo de intervenção, para colocar ordem na casa”. Sobre quem faria a intervenção, se ela seria militar, ele responde que “não existe fórmula de bolo” para isso.

Essa não é a primeira vez que o oficial se envolve em polêmicas. Em 2015, o general permitiu que ocorresse em Santa Maria uma homenagem de subordinados ao coronel Brilhante Ustra, apontado como suposto torturador da ex-presidente Dilma Rousseff, nos anos da ditadura militar.

zh

2 Comentários

  1. Com certeza, fechar aquele antro do congresso nacional, refazer uma nova constituição e um novo código penal, diminuir o número de deputados federais e estaduais, senadores, e botar ordem nesse país, que está numa bagunça total entre os três poderes.

  2. Olha benza Deus que ocorra uma tomada miliitar, para acabar com essa roubalheira. Isso é vergonhoso, o governo rouba e nós trabalhadores pagamos a conta, com altos impostos, preço altíssimo de mercadorias, juros desvairados e a suba do combustível, vamos tomor o poder deles com a força do fuzil,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *